Férias, barulho e a perturbação nos condomínios

21-01-2021

Com a flexibilização do uso das áreas comuns e o fato de muitas crianças estarem em férias até o começo de fevereiro, uma série de questões acabam vindo à tona, sendo que uma das principais e que sempre é motivo de discórdia nos condomínios, é a do barulho.

Em decorrência disso, as brigas entre vizinhos acabam sendo recorrentes, e os motivos para reclamações são muitos, ainda mais nesse período de pandemia.

As reclamações podem ser várias: desde um cachorro latindo intermitentemente, até alguém andando com salto alto em uma unidade; desde a criançada que acaba fazendo muita algazarra nas áreas comuns, até alguém que está ouvindo música muito alta. Para entender o que se pode ou não fazer é preciso entender como funciona a questão da perturbação.

No caso específico dos condomínios, de acordo com o artigo 1.336 do Código Civil, são deveres do condômino "dar às suas partes a mesma destinação que tem a edificação, e não as utilizar de maneira prejudicial ao sossego, salubridade e segurança dos possuidores, ou aos bons costumes".

A poluição sonora também é crime previsto na Lei 9.605. A legislação prevê que "causar poluição de qualquer natureza em níveis tais que resultem ou possam resultar em danos à saúde humana, ou que provoquem a mortandade de animais ou a destruição significativa da flora: Pena - reclusão, de um a quatro anos, e multa". Além disso, perturbar o sossego com barulho excessivo é considerado crime previsto na Lei de Contravenções Penais.

No caso de São Paulo, o "PSIU" foi criado para combater a poluição sonora na cidade, porém não se aplica aos condomínios. Dessa forma, a lei não permite que festas em casas, apartamentos e condomínios, por exemplo, sejam vistoriadas.

Os condomínios podem, na Convenção e Regimento Interno, tratar do tema. No entanto, esses não podem contrariar a legislação. Se destoar das normas legais, esses instrumentos serão considerados nulos e não obrigarão os condôminos ao seu cumprimento.

O problema muitas vezes está em auferir e provar a existência do barulho. A legislação prevê como tolerável a emissão de ruídos de no máximo 55 decibéis durante o dia, e 50 durante a noite, para áreas externas; e 45 decibéis durante o dia, e 40 durante a noite, para ambientes internos.

Para que as devidas sanções previstas em leis ou regimentos internos não precisem ser tomadas, o ideal é que o conflito seja resolvido por meio do diálogo. Quem está sendo perturbado deve interfonar para a portaria e pedir para que o porteiro comunique o incômodo de forma polida.

Caso não resolva dessa forma, ele poderá ligar pessoalmente para o condômino barulhento, e com respeito comunicar a interferência. O ideal é buscar, sempre que possível, a resolução do caso de forma extrajudicial. O recurso judicial deve ser a última instância.

Caso o vizinho não entenda que o barulho dele incomoda, a queixa deve passar para o livro de ocorrências do condomínio, além de comunicar o síndico e a administradora. Essas reclamações precisarão ser avaliadas para verificar o que é de responsabilidade do condomínio. A questão de barulho isolado deve ser resolvida entre as partes.

Por isso, e principalmente partindo do período em que estamos vivendo, é importante que a gestão condominial deixe as regras de forma clara para todos os moradores do condomínio, seja por meios eletrônicos ou físicos, como: afixar informativos no quadro de avisos, WhatsApp, e-mail, ou utilizando a forma mais conveniente que o condomínio esteja acostumado, pois o mundo mudou a partir da pandemia e a tendência, como é possível perceber no dia a dia, é o home office ser uma coisa mais comum, o que fará com que a gestão fique cada vez mais atenta para o barulho e suas consequências na vida dos que ali coabitam.

* Dr Rodrigo Karpat, especialista em direito imobiliário e questões condominiais. 

Site: VivaoCondomínio